A Repórter Brasil está sob censura judicial desde o dia 9 de outubro de 2015. Saiba mais.

Fazenda de pecuária é flagrada com 22 submetidos à escravidão

Durante quatro meses, trabalhadores da na Fazenda Boa Esperança, no município de Bom Jardim (MA), não receberam salários de forma regular e ainda foram impedidos de deixar o local por causa de "dívidas" com o "gato"

O grupo móvel de fiscalização libertou 22 trabalhadores que eram submetidos a condições análogas à escravidão na Fazenda Boa Esperança, na zona rural de Bom Jardim (MA). A operação, que contou com a pariticpação de integrantes do Ministério do Trabalho e Emprego (MTE), do Ministério Público do Trabalho (MPT) e da Polícia Federal (PF), ocorreu em 13 de agosto.

O gerente da fazenda contratou um "gato" (aliciador de mão de obra) que reuniu o coletivo de pessoas, há cerca de quatro meses, para fazer o serviço conhecido como "roço de juquira" – que é a "limpeza" do terreno para formação de pastagem com vistas à criação extensiva de gado bovino.

Durante todo período em que lá estiveram, os trabalhadores, que residem em municípios próximos à propriedade do fazendeiro Antonio Vieira Fortaleza, não receberam salários regularmente e ainda foram impedidos de deixar o local por causa das "dívidas" contraídas com o "gato". Alguns dos libertados ainda estavam com suas Carteiras de Trabalho e da Previdência Social (CTPS) retidas. A servidão por dívidas e a retenção de documentos são duas práticas do universo do trabalho escravo contemporâneo.

As vítimas eram remuneradas com valores inferiores ao salário mínimo e o aliciador atuava como intermediário no repasse dos pagamentos. Ele recebia do empregador e conseguia "lucrar" por meio da venda de Equipamentos de Proteção Individual (EPIs) e de ferramentas de trabalho – que deveriam ter sido fornecidos de forma gratuita pelo empregador. Assim, mantinha o controle por meio das dívidas, impedindo que houvesse abandono da empreitada sem que o montante devido fosse efetivamente pago.

Os alojamentos eram barracos feitos de palha de babaçu, com chão de terra batida. A água fornecida aos trabalhadores não era potável e nem era reposta nas várias frentes de trabalho ao longo do dia. 

A alimentação dos empregados era composta, diariamente, de café puro, uma lata de sardinha, farinha, arroz e feijão. Tudo feito pela esposa do "gato", que há três anos preparava refeições e nunca recebera pelo serviço.

O proprietário da Fazenda Boa Esperança, Antonio Vieira Fortaleza, pagou as verbas rescisórias dos contratos e o transporte dos trabalhadores aos locais de origem. A quantia desembolsada chegou a R$ 60 mil.

Notícias relacionadas:

Pecuarista é flagrado pela 6ª vez com trabalho escravo

Vítimas são escravizadas em área embargada pelo Ibama
Operação encontra trabalhadores alojados em estábulos
Fazenda com 30 mil cabeças de gado mantinha 28 escravos


Apoie a Repórter Brasil

saiba como

1 Comentário

  1. Amauri

    Pela sexta vez o fazendeiro foi flagrado submetendo operários sob regime de escravidão. Isso prova que o Ministério do trabalho não tem política para efetivamente acabar com essa vergonha.Posto que é um Ministério desarticulado e usado politicamente por gestores sem comprometimento com os trabalhadores. Essas fiscalizações é um gota no oceano de problemas das relações de trabalho – alto nivel de acidentes, falta de registro em carteira, contaminação por agrotóxico, de familia de agricultores residente nas áreas rurai, contaminação do solo, nascentes, rios riachos por produtos quimicos, etc. O MTE só tem preocupação, com o FGTS, que é o tributo que lhes dá o status de Auditor.

    Responder

Enviar Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *