A Repórter Brasil está sob censura judicial desde o dia 9 de outubro de 2015. Saiba mais.

CNJ determina abertura de processo contra juiz escravagista

Por unanimidade, Conselho Nacional de Justiça (CNJ) decide que processo disciplinar contra o juiz Marcelo Testa Baldochi, denunciado por trabalho escravo, seja instaurado e julgado no Tribunal de Justiça do Maranhão (TJ/MA)

Por intervenção externa do Conselho Nacional de Justiça (CNJ), o Tribunal de Justiça do Maranhão (TJ-MA) finalmente terá de instalar, analisar e julgar processo administrativo disciplinar (PAD) contra o juiz Marcelo Testa Baldochi, envolvido em caso de trabalho escravo.

Processo contra Marcelo Baldochi será, enfim, instalado (Foto: TJ/MA)

Na sessão plenária ocorrida na manhã desta terça-feira (31), os conselheiros do CNJ foram unânimes na determinação para que sejam apuradas as denúncias contra o magistrado e dono da Fazenda Pôr do Sol, em Bom Jardim (MA). Em setembro de 2007, operação do grupo móvel de fiscalização coordenado pelo Ministério do Trabalho e Emprego (MTE) libertou 25 pessoas – entre elas um adolescente com apenas 15 anos à época – de condições análogas à escravidão da propriedade rural

Relator da proposição de Revisão Disciplinar protocolada junto ao CNJ pelo Sindicato dos Servidores da Justiça do Estado do Maranhão (Sindjus-MA) ainda no início de 2009, Paulo de Tarso Tamburini defendeu a necessidade de investigação das responsabilidades diante do flagrante. Para o relator, "as denúncias, sem qualquer juízo antecipado de valor, demonstram indícios de irregularidades que merecem melhor apuração".

"Resolvemos apelar para o CNJ porque estávamos insatisfeitos com o arquivamento. Trata-se de um desvio de conduta não recomendável a ninguém, muito menos a um juiz", comentou o presidente do Sindjus-MA, Rivelino Alves Pereira, em entrevista por telefone à Repórter Brasil.

O TJ-MA rejeitou por duas vezes a instalação do processo contra o magistrado. A primeira delas foi ainda em 2007, quando o então corregedor Jamil de Miranda Gedeon Neto, atual presidente do TJ-MA, pediu a instauração do PAD contra Marcelo Testa Baldochi, integrante do Poder Judiciário maranhense. Naquela ocasião, 11 desembargadores e desembargadoras do Tribunal se posicionaram pelo arquivamento da denúncia.

Em dezembro do ano passado, outra denúncia contra o magistrado – assinada pelo próprio procurador-geral do Ministério Publico Estadual (MPE), Francisco das Chagas Barros de Sousa – foi novamente objeto de análise no TJ-MA. Desta segunda vez, a votação terminou com 12 votos a quatro pela rejeição da abertura de processo contra o juiz.

Na denúncia, o MPE vincula diretamente o juiz a uma série de ilícitos como: exploração de sistema de servidão por dívidas; indevida retenção dos salários; utilização de mão de obra de adolescente de 15 anos; submissão a condições precárias de alojamento; manutenção de exíguo intervalo para alimentação e falta de água potável nas frentes de trabalho; e não fornecimento de equipamentos de proteção individual (EPIs). 

O caso do envolvimento do juiz Marcelo Testa Baldochi com a exploração de mão de obra escrava já havia sido analisada anteriormente pelo próprio CNJ. O próprio Sindjus-MA solicitou o posicionamento da instituição frente às denúncias, mas o conselheiro relator Técio Lins e Silva alegou naquela oportunidade que não cabia ao conselho tratar de atos praticados por juízes na vida privada. Diante disso, o sindicato protocolou mandado de segurança junto ao Supremo Tribunal Federal (STF) para reforçar o pedido para que CNJ analisasse o caso do magistrado. O ministro Joaquim Barbosa negou liminar e não chegou a se pronunciar sobre o mérito da questão.

O magistrado também é acusado de atuar pessoalmente no despejo violento de famílias do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) que ocupavam a Fazenda Pôr do Sol e de interferir no processo criminal de um outro fazendeiro escravagista, Miguel de Souza Rezende, para "tumultuar" e causar "prejuízo processual" – nas palavras da promotora de Justiça Raquel Chaves Duarte Sales -no sentido de facilitar a prescrição do crime.

Miguel foi flagrado seis vezes submetendo trabalhadores a condições análogas à escravidão. Cinco delas na mesma propriedade, a Fazenda Zonga, que fica dentro da Reserva Biológica (Rebio) de Gurupi, no Maranhão.

*Com informações da assessoria de imprensa do CNJ

Notícias relacionadas:
Tribunal rejeita denúncia e absolve juiz acusado de escravidão
Juiz escravagista é acusado de comandar despejo violento
Juiz e proprietários em dez estados entram na "lista suja"
Juiz acusado por escravidão interfere em caso de escravagista
Ministério Público denuncia juiz pela prática de trabalho escravo
ONG cobra do governo bolsa de estudos para jovem escravizado
Ação liberta 25 trabalhadores de fazenda de juiz no Maranhão


Apoie a Repórter Brasil

saiba como

4 Comentários

  1. Renan Gallinari

    Inacreditável como os caras-de-pau arquivaram duas vezes. Vão enrolar até não ter mais condições de julgar. Enquanto isso, o crápula senhor dos escravos continua recebendo seus 20 e poucos mil reais todo mês.
    Inacreditável. ACORDA, BRASIL!

    Responder
  2. Rosimere Maciel Silva

    É inadmissível, indignante, nefasto, sujo…esse é o poder judiciário?? Vergonha.

    Responder
  3. Rosimere Maciel Silva

    Quero confiar, acreditar que existe justiça, e que ela vai fazer honra a queles que nela confiam.

    Responder
  4. rodrigues

    Não tem como confiar na justiça enquanto juizes não julgarem seus pares com imparcialidade, e quando condenados perderem o cargo e vencimentos, neste dia sim havera justiça

    Responder

Enviar Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *