A Repórter Brasil está sob censura judicial desde o dia 9 de outubro de 2015. Saiba mais.

Pochmann recomenda aumento de idade mínima para trabalhar

"As mudanças nos levam a postergar o ingresso dos jovens no mercado de trabalho para depois dos 20 anos", pregou Márcio Pochmann, do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea), em evento sobre trabalho infanto-juvenil

O presidente do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea), Márcio Pochmann, destacou a necessidade de "elevar a idade mínima" legalmente estabelecida (16 anos) para o início das atividades laborais "frente à sociedade que estamos construindo hoje, a pós-industrial". A recomendação foi feita durante a abertura do 3º Seminário Nacional sobre Trabalho Infanto-Juvenil, realizado em São José dos Campos (SP).

Márcio Pochmann: entrada no mercado de trabalho deve ser postergada (Foto: Marcelo Casal Jr./ABr)

"As mudanças demográficas nos levam a postergar o ingresso dos jovens no mercado de trabalho para depois dos 20 anos de idade, ao contrário do que se via na era agrícola no século XIX, que obrigava a criança a trabalhar com apenas cinco anos, em média", sustentou, em palestra nesta quinta-feira (11), o economista. 

Autor de mais de 20 livros sobre inclusão social, desenvolvimento econômico e políticas de emprego, Márcio insiste que, na atual "sociedade do conhecimento" em que vivemos, não há justificativa técnica para que as pessoas comecem a trabalhar antes dos 25 anos de idade.

O presidente do Ipea ressalta que filhos de famílias ricas raramente começam a trabalhar efetivamente antes dos 25 anos de idade, depois de muito invvestimento e tempo dedicado à formação. Enquanto isso, salienta o professor do Centro de Estudos Sindicais e de Economia do Trabalho (Cesit) da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), filhos de pais pobres são condenados a começar a trabalhar cedo, não conseguem evoluir em termos de formação e acabam ocupando postos de baixa qualificação e mau remunerados que compõem a base do mercado de trabalho.

São cerca de 37 milhões de jovens brasileiros na faixa etária de 16 a 24 anos. Metade não estuda. E, segundo o economista, os que estão na escola são trabalhadores que estudam e não estudantes que trabalham. Apenas em 2009, aproximadamente 500 mil jovens abandonarão o ensino médio para complementar a renda de seus respectivos lares.

Congresso
Mesmo com parecer favorável do relator Maurício Quintela (PR-AL), proposta de Emenda à Constituição (PEC) que reduz a idade mínima para trabalhar para 14 anos foi rejeitada, em agosto de 2009, na Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania (CCJ) da Câmara dos Deputados. A lei permite a contratação apenas de aprendizes com idade mínima de 14 anos.

"Isso seria um retrocesso para o desenvolvimento do país e para os direitos da criança e do adolescente", avaliou, na ocasião, o coordenador do Programa Internacional para a Eliminação do Trabalho Infantil (IPEC) da Organização Internacional do Trabalho (OIT), Renato Mendes. Segundo ele, o argumento de que o trabalho ajuda a tirar adolescentes da pobreza não pode ser sustentado, pois o dever de dar condições de sobrevivência enquanto eles estudam é do Estado. "A pobreza é um elemento que explica o trabalho infantil, mas não pode justificar essa forma de trabalho", declarou. 

O relator manteve posição favorável à redução. "Já existe uma situação no Brasil em que os jovens de 14, 15 e 16 anos já trabalham. Só que trabalham na informalidade", justificou. "Eu acho que a PEC restaurava o direito da juventude ao trabalho, mas ela não obrigaria ninguém a trabalhar".

Seminário
Juízes, procuradores, auditores, advogados, assistentes sociais, membros de conselhos tutelares, professores e estudantes participam do 3º Seminário Nacional sobre Trabalho Infanto-Juvenil, que continua nesta sexta-feira (12). O evento, que é uma realização conjunta da Associação dos Magistrados da Justiça do Trabalho da 15ª Região (Amatra XV), da Associação Nacional dos Magistrados do Trabalho (Anamatra), da Escola Judicial do TRT da 15ª Região, do Ministério Público do Trabalho (MPT) e da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) Subseção de São José dos Campos, ocorre no Parque Tecnológico Riugi Kojima, no km 137,8 da Rodovia Presidente Dutra.

No segundo dia de evento, o procurador Bernardo Leôncio Moura Coelho apresenta o painel "as políticas públicas de prevenção e erradicação do trabalho infantil no Brasil". O juiz do trabalho aposentado e professor da Universidade de São Paulo (USP) Oris de Oliveira fará o encerramento do seminário, com a conferência "Desafios da erradicação do trabalho infantil".

Estão ainda na pauta temas como acidentes do trabalho na infância e na adolescência, trabalho infanto-juvenil artístico, nova legislação do estágio, consequências na esfera criminal da exploração do trabalho infanto-juvenil e violência sexual contra a criança e o adolescente.

As inscrições podem ser feitas mediante a doação de dois quilos de alimentos não perecíveis ou ao custo de R$ 10. Tudo o que for arrecadado será revertido para a Cruzada Paroquial de Assistência Casa das Meninas/Meninos e para a Obra Social e Assistencial Maria Teresa de São José – Nica Veneziane, ambas de São José dos Campos (SP). 

*Com informações da assessoria de comunicação da Procuradoria Regional do Trabalho da 15a Região (TRT-15), da Caros Amigos e da Agência Brasil

Notícias relacionadas:
CPI do Trabalho Infantil pode ser instalada em 2010
Relatório traz misto de graves continuidades e avanços
Responsáveis por escravidão de indígenas são denunciados
Mão-de-obra infantil é explorada em fazenda do interior paulista
Meninas são mais vulneráveis ao trabalho infantil

Escola e assistência não afastam crianças do trabalho infantil


Apoie a Repórter Brasil

saiba como

8 Comentários

  1. SERGIO KINTSCHNER

    SE ESTE CIDADÃO OBSERVA-SE MELHOR O MUNDO AO SEU REDOR E NÃO SOMENTE O SEU CASTELO, ELE VERIA QUE PESSOAS QUE COMESSAM A TRABALHAR MAIS CEDO TEM MELHOR PREPARO PARA ENFRENTAR OS PROBLEMAS DA VIDA, ALÉM DE NÃO FICAREM OBSOLETOS E CRIANDO ´PROBLEMAS PARA OS OUTROS.
    É MUITO FÁCIL CRIAR TEORIAS QUANDO SE ESTÁ ENCASTELADO, SEM TER QUE ENFRENTAR O MUNDO DE PEITO ABERTO.

    Responder
  2. Paulo Tiaraju

    Numa ditadura travestida de democracia, o qual vivemos, onde as pessoas são tratadas como seres incapazes, tal qual, obrigatoriedade ao voto, é fácil transferir a responsabilidade aos jovens pela incompetência e desmandos de governos centralizadores.
    O comportamento negativo dos jovens é reflexo da falta de auto estima familiar, face a falta de distribuição de renda justa.
    O justo urge o ingresso de jovens ao mercado de trabalho somente após o término do curso superior.

    Responder
  3. Aroldo Galindo

    Esta é uma proposta absurda. Elitista quando se quer popular. Inverte tudo. Temos uma (ou mais) geração de jovens que foram levados à acomodação e à imaturidade, por uma (ou mais) geração de pais que equivocadamente entenderam que superproteger os filhos seria uma forma de educá-los. O trabalho valorizado, respeitado e bem-remunerado não atrapalha a formação profissional de ninguém. Muito pelo contrário: aperfeiçoa, amadurece, ensina. Forma profissionais esclarecidos, tira-lhes a viseira do tecnicismo estreito, levanta-lhes a autoestima. Temos que lutar, isto sim, pela garantia de trabalho digno, com carga horária reduzida compatível com a continuidade dos estudos, a partir dos 18 anos!

    Responder
  4. Lucinda Rolnic Rodrigues

    O mundo inferior habitou-se a consagrar criaturas, visões e literaturas deploráveis causando combustão no centro do cérebro dos que ainda lutam em manter-se humanos. Acreditam por um acaso, que Homens podem recolher sem plantar? E o que dizer da fatalidade soberana que insistem intitular como brilhantes seixos escondidos em cascalhos?

    Responder
  5. Chico Walderedo

    “O trabalho dignifica o homem.” Ouve-se por demais frases como esta, posta logo acima, no nosso cotidiano. Esse tipo de frase é originária, mais ainda, das bocas dos que lucram e vivem do esforço físico dos outros. Assim sendo, sem dúvida alguma,todos esses contrários ao ideário defendido pelo Professor Pochmann vivem de alguma forma explorando homens; pesquisem e descubram. Entendo que o trabalho, em certa idade, 0 a 20 anos pelo menos, deva ser opcional. Todas as pessoas que se juguem prontos e capazes para atividades tal ou qual devem fazê-lo. As pessoas, que estiverem habilitadas e sintam-se bem em praticar as coisas que aprenderam, devem, felizes, sem imposição, fazê-lo. Se felizes!!

    Responder
  6. Chico Walderedo

    Este é o país das desvirtuações. Gente que defende o trabalho infanto-juvenil mascarado de “trabalho de aprendiz”! Não há fiscalização quanto esse tipo de programa. Contratam-se jovens estudantes para o trabalho pesado como sendo estagiários; isso com o aval das instituições estatais. Não há mais bolsas para custear a extenção dos estudos dos jovens que precisão de ver na prática o que aprendem nos banco da academia. Agora, o EMPRESSÁRIO paga um salário e tem, no estagiário, um homem semi-qualificado que, além de servi-le cafezinho, substitui o profissional que lhe cobraria o real salário pela prestação dos seus seviços. Mas, no Brasil é assim. Com o referendo do próprio Estado. Brincadeira?

    Responder
  7. Wilson Simão

    Essas pesquisas universitárias sempre escondem uma fraude. Na prática o Dr. Pochmann estaria falando alguma coisa interessante se recomendasse a diminuição da idade máxima para se aposentar. Com o aumento da minina a faixa etária para a aposentaria seria de 65 uma idade que poucos trabalhadores (braçais) atingem .
    Nota:
    Encarando a realidade nacional, nossos políticos precisam entender que o jovem vendedor de balas , mais do que outro trabalhador, deve contribuir previdência privada mesmo que para isso inflija a legislação vigente.

    Responder
  8. Wilson

    O que se pode fazer?! Estamos apoiando do trabalho de jovens universitários recém formados e o que eles sugerem deve virar lei em breve.
    Aproveitando a sujeição proposta, convido-os a um evento a realizar-se todas as semanas na Via Dutra – Participem!! A entrada é livre para as mulheres. http://www.viashow.com.br/

    Responder

Enviar Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *