A Repórter Brasil está sob censura judicial desde o dia 9 de outubro de 2015. Saiba mais.

MPT resgata 25 trabalhadores em fazendas de Bonito

Operação conjunta do Ministério Público do Trabalho (MPT), da Polícia Federal (PF) e da Comissão Permanente de Investigação das Condições de Trabalho em Mato Grosso do Sul, resgatou 25 trabalhadores que estavam em condições degradantes em duas fazendas de Bonito (cidade distante 258 quilômetros a sudoeste de Campo Grande). A inspeção foi realizada nas fazendas Pitangueiras e Bodoquena, onde foram constatadas irregularidades como falta de registro na carteira de trabalho, atraso no pagamento dos salários, aplicação de agrotóxicos sem equipamentos de proteção individual, ausência de sanitários e alojamentos em condições precárias. Durante a operação, foram encontrados ainda dois adolescentes, de 14 anos e 17 anos, trabalhando nas propriedades rurais, entre os dias 25 e 27. Os adolescentes foram encaminhados ao Conselho Tutelar. Os responsáveis pelas fazendas firmaram Termos de Ajustamento de Conduta (TACs) para pagar os direitos trabalhistas e a prefeitura cedeu ônibus para transporta-los até a cidade. Segundo o MPT, Os trabalhadores encontrados em situação degradante não eram do Nordeste, como é de se costume encontrar. Eles eram do próprio Estado de Rio Verde do Mato Grosso, São Gabriel do Oeste, Pedro Gomes, Jateí, Glória de Dourados e Campo Grande. O MPT encontrou na fazenda Pitangueiras, os operários dormiam em camas improvisadas e os alojamentos eram as antigas baias de cavalos. Eles relataram que já encontraram dez cobras somente neste ano no local. Eles contaram que foram obrigados a comer abóboras plantadas no meio de uma fossa. A mangueira é usada para lavar louça, roupa e tomar banho. Os trabalhadores estavam há dois meses sem receber salários. Já na Fazenda Bodoquena, o MPT encontrou os trabalhadores dormindo em camas improvisadas e debaixo de barracos de lonas. O empreiteiro contratado pelos produtores rurais das duas propriedades foi identificado como Ronaldo de Menezes. Ele os obrigava, conforme o MPT, a ficar na fazenda para pagar a dívida. Na operação foram apreendidos cinco cadernos com as anotações de dívidas contraídas pelos trabalhadores eu eram cobrado dos trabalhadores. Por: Eduado Penedo (www.capitalnews.com.br)

Operação conjunta do Ministério Público do Trabalho (MPT), da Polícia Federal (PF) e da Comissão Permanente de Investigação das Condições de Trabalho em Mato Grosso do Sul, resgatou 25 trabalhadores que estavam em condições degradantes em duas fazendas de Bonito (cidade distante 258 quilômetros a sudoeste de Campo Grande).

A inspeção foi realizada nas fazendas Pitangueiras e Bodoquena, onde foram constatadas irregularidades como falta de registro na carteira de trabalho, atraso no pagamento dos salários, aplicação de agrotóxicos sem equipamentos de proteção individual, ausência de sanitários e alojamentos em condições precárias.

Durante a operação, foram encontrados ainda dois adolescentes, de 14 anos e 17 anos, trabalhando nas propriedades rurais, entre os dias 25 e 27. Os adolescentes foram encaminhados ao Conselho Tutelar. Os responsáveis pelas fazendas firmaram Termos de Ajustamento de Conduta (TACs) para pagar os direitos trabalhistas e a prefeitura cedeu ônibus para transporta-los até a cidade.

Segundo o MPT, Os trabalhadores encontrados em situação degradante não eram do Nordeste, como é de se costume encontrar. Eles eram do próprio Estado de Rio Verde do Mato Grosso, São Gabriel do Oeste, Pedro Gomes, Jateí, Glória de Dourados e Campo Grande.

O MPT encontrou na fazenda Pitangueiras, os operários dormiam em camas improvisadas e os alojamentos eram as antigas baias de cavalos. Eles relataram que já encontraram dez cobras somente neste ano no local. Eles contaram que foram obrigados a comer abóboras plantadas no meio de uma fossa. A mangueira é usada para lavar louça, roupa e tomar banho. Os trabalhadores estavam há dois meses sem receber salários.

Já na Fazenda Bodoquena, o MPT encontrou os trabalhadores dormindo em camas improvisadas e debaixo de barracos de lonas. O empreiteiro contratado pelos produtores rurais das duas propriedades foi identificado como Ronaldo de Menezes. Ele os obrigava, conforme o MPT, a ficar na fazenda para pagar a dívida. Na operação foram apreendidos cinco cadernos com as anotações de dívidas contraídas pelos trabalhadores eu eram cobrado dos trabalhadores.

Por: Eduado Penedo (www.capitalnews.com.br)


Apoie a Repórter Brasil

saiba como

Enviar Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *