A Repórter Brasil está sob censura judicial desde o dia 9 de outubro de 2015. Saiba mais.

Futebol paraense se engaja na luta contra o trabalho ecsravo

O combate ao trabalho escravo no Brasil e no Pará será manifestado em meio a uma das maiores paixões do povo paraense, o futebol. Durante o primeiro jogo entre os times Remo e Paysandu do ano, marcado para o dia 07 de fevereiro, no Estádio Olímpico do Pará (Mangueirão), camisas alusivas à campanha serão usadas pelos jogadores, além de faixas conduzidas pelos clubes ao entrar em campo. A parceria foi fechada esta semana entre José Nery (PSOL/PA), presidente da Subcomissão de Combate ao Trabalho Escravo do Senado Federal e a Federação Paraense de Futebol (FPF). A iniciativa do RexPa deverá ser entendida a outras regiões do Pará nos jogos realizados em Tucuruí, Santarém, Cametá e Marabá. Os torcedores também poderão participar do abaixo assinado em favor da PEC 438/01 que pede a expropriação de terras onde esteja comprovada a prática e precisa ser votada em segundo turno na Câmara dos Deputados. Durante a visita na FPF, na última segunda-feira, 18, José Nery foi recebido pelo presidente da entidade, Coronel Nunes e pelo vice-presidente, Adelson Torres. Participaram da reunião também o presidente do Clube do Remo, Amaro Klautau e o diretor do Paysandu Sport Clube, Mauricio Maciel. O senador falou sobre os dados relativos ao trabalho escravo no Pará e sobre a necessidade aprovar a PEC 438/01. Explicou como serão realizados os eventos durante a Semana Nacional de Combate ao Trabalho Escravo. O primeiro no dia 28, em Brasília e em Belém, no dia 31, com um ato político e cultural na Praça da República. "Pretendemos entregar as assinaturas no Congresso Nacional em maio", disse Nery.

O combate ao trabalho escravo no Brasil e no Pará será manifestado em meio a uma das maiores paixões do povo paraense, o futebol. Durante o primeiro jogo entre os times Remo e Paysandu do ano, marcado para o dia 07 de fevereiro, no Estádio Olímpico do Pará (Mangueirão), camisas alusivas à campanha serão usadas pelos jogadores, além de faixas conduzidas pelos clubes ao entrar em campo.

A parceria foi fechada esta semana entre José Nery (PSOL/PA), presidente da Subcomissão de Combate ao Trabalho Escravo do Senado Federal e a Federação Paraense de Futebol (FPF).

A iniciativa do RexPa deverá ser entendida a outras regiões do Pará nos jogos realizados em Tucuruí, Santarém, Cametá e Marabá. Os torcedores também poderão participar do abaixo assinado em favor da PEC 438/01 que pede a expropriação de terras onde esteja comprovada a prática e precisa ser votada em segundo turno na Câmara dos Deputados.

Durante a visita na FPF, na última segunda-feira, 18, José Nery foi recebido pelo presidente da entidade, Coronel Nunes e pelo vice-presidente, Adelson Torres. Participaram da reunião também o presidente do Clube do Remo, Amaro Klautau e o diretor do Paysandu Sport Clube, Mauricio Maciel.

O senador falou sobre os dados relativos ao trabalho escravo no Pará e sobre a necessidade aprovar a PEC 438/01. Explicou como serão realizados os eventos durante a Semana Nacional de Combate ao Trabalho Escravo. O primeiro no dia 28, em Brasília e em Belém, no dia 31, com um ato político e cultural na Praça da República. "Pretendemos entregar as assinaturas no Congresso Nacional em maio", disse Nery.


Apoie a Repórter Brasil

saiba como

Enviar Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *