A Repórter Brasil está sob censura judicial desde o dia 9 de outubro de 2015. Saiba mais.

Ministério do Trabalho flagra trabalho escravo em usina de Confresa

Cerca de 50 trabalhadores foram resgatados em condições degradantes. Usina Araguaia poderá ser interditada. O Grupo Móvel do Ministério do Trabalho flagrou na manhã deste domingo (10/10) cerca de 50 trabalhadores em condições análogas a escravidão na usina Araguaia, no município de Confresa. "As condições são péssimas, degradantes", disse ao site da TVCA o auditor do Ministério, Jaime Dornelas. "Vamos solicitar a interdição da usina". Os trabalhadores serão resgatados e a usina poderá ser fechada. Ainda segundo o auditor do MTE, há mais de 200 trabalhadores com meses de salários atrasados. "Alguns estão há mais de seis meses com os honorários atrasados", diz Dornelas. Os trabalhadores são migrantes de outros estados, a maioria de Tocantins e Maranhão. A operação que deflagrou as condições degradantes na usina Araguaia teve a participação da Policia Federal e da Procuradoria Federal.

Cerca de 50 trabalhadores foram resgatados em condições degradantes. Usina Araguaia poderá ser interditada.

O Grupo Móvel do Ministério do Trabalho flagrou na manhã deste domingo (10/10) cerca de 50 trabalhadores em condições análogas a escravidão na usina Araguaia, no município de Confresa. "As condições são péssimas, degradantes", disse ao site da TVCA o auditor do Ministério, Jaime Dornelas. "Vamos solicitar a interdição da usina".

Os trabalhadores serão resgatados e a usina poderá ser fechada. Ainda segundo o auditor do MTE, há mais de 200 trabalhadores com meses de salários atrasados. "Alguns estão há mais de seis meses com os honorários atrasados", diz Dornelas. Os trabalhadores são migrantes de outros estados, a maioria de Tocantins e Maranhão.

A operação que deflagrou as condições degradantes na usina Araguaia teve a participação da Policia Federal e da Procuradoria Federal.


Apoie a Repórter Brasil

saiba como

Enviar Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *