A Repórter Brasil está sob censura judicial desde o dia 9 de outubro de 2015. Saiba mais.

"Espírito de Porco" disseca suinocultura industrial catarinense

Documentário busca mostrar a "cadeia de responsabilidade" que molda o setor de criação de porcos, que envolve produtores, governos e consumidores, nem sempre conscientes do papel que desempenham neste processo

Apontada como responsável por diversos danos ambientais, a suinocultura industrial no Oeste de Santa Catarina reúne uma das maiores concentrações de porcos do mundo. Confinados em pequenos espaços, eles já somam 50 milhões – numa proporção de 10 suínos para cada humano. O controle da atividade econômica é restrito: sete em cada dez porcos da região pertencem a cinco grandes agroindústrias. Enquanto impulsionam seus lucros, as empresas assumem um discurso vagamente humanitário.

Essas contradições, bem como os impactos ambientais, sociais e econômicos desse modelo, são os temas analisados pelo documentário "Espírito de Porco" (Brasil, 2009), dos jornalistas Chico Faganello e Dauro Veras. Em tom didático e irônico, a obra busca mostrar a "cadeia de responsabilidade" que molda o setor, envolvendo produtores, governos e consumidores, nem sempre conscientes do papel que desempenham neste processo. Santa Catarina possui o maior rebanho do país, com cerca de 17,5% da produção nacional. Boa parte desses estabelecimentos desrespeita normas ambientais básicas.

Documentário "Espírito de Porco" adota foco narrativo "suinocêntrico" (Foto: Divulgação)

Na tarefa de mostrar "onde o homem se emporcalha e o porco se humaniza", o documentário adota um foco narrativo "suinocêntrico". No filme, um porco abatido volta à terra, na condição de espírito, para apontar a responsabilidade dos humanos na exploração da atividade. Provocação? Na verdade, a opção pela "comédia das semelhanças" é, sobretudo, uma estratégia de abordagem para o caráter "irreal" deste modelo de negócio, que reúne a ganância dos produtores, as demandas e ditames do comércio internacional, a débil fiscalização do Estado e a desinformação do consumidor final.

O material de pesquisa foi obtido através de depoimentos e conversas com suinocultores, trabalhadores, especialistas e com a população da região de Seara, Concórdia e Arvoredo, em Santa Catarina. As primeiras exibições públicas do filme ocorreram no início de julho no município de Seara (SC). A partir da segunda quinzena de setembro, o filme deve ser veiculado em Florianópolis e em outras pequenas cidades do interior catarinense.

Os diretores estão tentando viabilizar um projeto de difusão e têm planos para produzir uma versão para a televisão. Em 2010, a íntegra da obra deve ser disponibilizada na internet. "O foco central do filme é sobre a responsabilidade ambiental", afirma Chico Faganello. "Espírito de Porco" foi selecionado para o 11º Festival Internacional de Cinema e Vídeo Ambiental (Fica), entre 556 obras de 55 países. O festival foi realizado em junho em Goiás (GO).

Produção
De acordo com a pesquisa feita por Eliane Faganello de Som para o filme, as primeiras agroindústrias no oeste de Santa Catarina surgiram na década de 1940, com o objetivo de beneficiar a carne suína e os grãos de cereais. A partir da década de 1970, impulsionada pelo Estado e amparada pelo modelo integrado de produção, a atividade se ampliou desordenadamente, sem considerar critérios de sustentabilidade ambiental.

Porcos mais velhos viram linguiça e mortadela; e mais novos, pernis e costelas (Foto: Divulgação)

"Espírito de Porco" evidencia o resultado desse processo histórico ao acompanhar todas as etapas de produção numa fazenda, desde a separação dos porcos por tamanho – machos de um lado e fêmeas de outro -, passando pelo acelerado sistema de engorda, no qual os porcos chegam a ganhar 400 gramas por dia. Um "bom reprodutor", em sua vida útil, gera até três mil descendentes. No estágio final, ficamos sabendo que a suinocultura industrial já fala em "abate humanitário", que utiliza um gás para matar os porcos.

Neste sistema de produção, os porcos mais velhos viram linguiça e mortadela. Já os mais jovens são aproveitados para a fabricação de pernis e costelas, pedaços maiores e nobres. Além da alimentação humana, os porcos geram mais de 100 produtos, como fertilizantes, gás, biodiesel, sapatos, escovas, vassouras, luvas, casacos, bolsas, carteiras, insulina, válvulas cardíacas e sabonetes. Até obras de arte já foram feitas com pincéis de pelo de porco.

Suinocultura industrial
Há suspeitas de que a atual epidemia de Gripe A (H1N1) tenha relação com o sistema de produção da suinocultura em escala industrial. Em La Gloria, no sudeste do México – país onde o surto teve início -, uma grande fazenda cria mais de mais de um milhão de porcos e as comunidades locais denunciam há vários anos a contaminação do subsolo pelos tanques de urina e excrementos das unidades industriais, que comprometem os lençóis freáticos.

Segundo reportagem do Washington Post, pessoas da região queixam-se de doenças de pele e garganta inflamada. Os porcos são incapazes de absorver a alimentação com excesso de nutrientes mantida pela indústria como forma de engordá-los mais rápido e atingir um "crescimento melhor".

Um suíno pode produzir cerca de 7 litros de dejetos por dia. Em "Espírito de Porco", há imagens impressionantes das lagoas de excremento e urina. Essa grande quantidade dos dejetos oriundos da produção não é tratada antes de ser lançada no meio ambiente, e infecta os rios, os córregos, a terra e o ar. Estima-se que mais de 80% das águas da região oeste de SC estão contaminadas. A poluição ameaça inclusive o maior aqüífero de água doce potável do mundo, o Guarani.

Porcos são incapazes de absorver alimentação com excesso de nutrientes (Foto: Divulgação)

Com o manejo incorreto dos dejetos, a poluição causa danos à biodiversidade, provoca alteração climática, e prejudica a saúde da população. Fósforo e nitrogênio, oriundos da suplementação alimentar, são os piores poluentes. Em excesso, afetam a camada de ozônio, e envenenam peixes, plantas e pessoas. Os compostos nitrogenados podem inclusive ter relação com o câncer.

Alternativas, como demonstra o documentário, não faltam. A compostagem, a utilização de biodigestores e de outros sistemas de tratamento dos dejetos podem amenizar o problema, dependendo da análise em cada região. Os excrementos produzem ainda gás que pode virar energia para iluminar e aquecer, mas os entraves burocráticos e falta de incentivo oficial fazem com que essa potencialidade ainda não seja devidamente aproveitada.

"O porco está sendo explorado para fins de economia. Ele não está sendo mais o porco do passado, que era criado no campo, na natureza. Está tendo um fim lucrativo", constata um suinocultor. Prova disso é o investimento cada vez maior em raças estrangeiras aperfeiçoadas geneticamente, que dão mais carne e menos gordura. O pequeno produtor, por sua vez, lamenta a situação: "Quem é grande se sustenta, quem é pequeno cai fora".

Na metáfora proposta por "Espírito de Porco", fica nítido que, enquanto a incensada responsabilidade social das empresas não saltarem da teoria à prática e os consumidores não assumirem o seu papel de cidadãos conscientes na cadeia produtiva, vai ser difícil eliminar a sujeira nociva e dissipar o seu odor fétido. Nos chiqueiros e fora deles.

Assista ao trailer do documentário "Espírito de Porco" no YouTube


Apoie a Repórter Brasil

saiba como

2 Comentários

  1. Elizabeth Holanda

    Adorei a proposta e fiquei muito curiosa pra assistir o filme. sugiro que os documentaristas procurem iniciativas como o DOC TV ou site Porta Curtas da Petrobrás para dar maior visibilidade ao trabalho.

    Responder
  2. Maria Maeno

    Assisti apenas a apresentação. Gostaria de saber como faço para assistir ao documentário todo. Parece-me que, além de outros usos, pode ser utilizado em aulas, palestras, etc. Como adquirir o filme? Está disponível?

    Grata.

    Maria Maeno

    Responder

Enviar Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *