A Repórter Brasil está sob censura judicial desde o dia 9 de outubro de 2015. Saiba mais.

Coetrae define calendário para o Concurso da Abolição

O Concurso da Abolição que irá repercutir a temática trabalho escravo será realizado nas escolas estaduais e municipais dos municípios de Xambioá, Santa Fé do Araguaia, Colinas e Araguaína. As inscrições já estão abertas e vão até o dia 04 de setembro de 2009. Podem se inscrever estudantes com apresentação de poesias e desenhos sobre a sua visão com referência ao trabalho escravo. Serão premiados com camisetas, pen drive e livros os três melhores trabalhos de cada município. A premiação será entregue na programação da Semana da Consciência Negra, em novembro. Carolina Falcão Motoki, da ONG Repórter Brasil, explicou que já foram realizadas mobilizações nos municípios que irão participar do concurso. E no período de 15 a 21 de setembro serão realizadas oficinas nestes municípios sobre o trabalho em situação degradante. O concurso é uma idealização da Coetrae – Comissão Estadual de Erradicação do Trabalho Escravo, com o apoio das Secretarias da Cidadania e Justiça, da Educação e Cultura, da ONG Repórter Brasil, da Comissão da Pastoral da Terra e outras instituições ligadas ao combater do trabalho análogo ao escravo. Repercussões A procuradora da República no Tocantins, Ludmila Fernandes da Silva Ribeiro, ressaltou que o trabalho escravo é crime, não é cultura como algumas pessoas pensam. Francisca Marta Barbosa dos Santos, da Secretaria da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, frisou que a realização do concurso é muito importante para a conscientização das crianças e jovens sobre a necessidade de conhecer sobre as condições de trabalho, como local, alojamentos, formas de pagamento, aquisição de equipamentos, etc. "Esse esclarecimento começa no município, mas com as oficinas e premiações, essa conscientização sobre o trabalho escravo terá uma maior dimensão". Para Dulce Mª Palma Pimenta Furlan, o mais importante no combate ao trabalho escravo é que várias instituições estão trabalhando juntas, nas ações educativas, de fiscalização e repreensivas. (Informações da Ascom/Seciju)

O Concurso da Abolição que irá repercutir a temática trabalho escravo será realizado nas escolas estaduais e municipais dos municípios de Xambioá, Santa Fé do Araguaia, Colinas e Araguaína. As inscrições já estão abertas e vão até o dia 04 de setembro de 2009.

Podem se inscrever estudantes com apresentação de poesias e desenhos sobre a sua visão com referência ao trabalho escravo. Serão premiados com camisetas, pen drive e livros os três melhores trabalhos de cada município.

A premiação será entregue na programação da Semana da Consciência Negra, em novembro.

Carolina Falcão Motoki, da ONG Repórter Brasil, explicou que já foram realizadas mobilizações nos municípios que irão participar do concurso. E no período de 15 a 21 de setembro serão realizadas oficinas nestes municípios sobre o trabalho em situação degradante.

O concurso é uma idealização da Coetrae – Comissão Estadual de Erradicação do Trabalho Escravo, com o apoio das Secretarias da Cidadania e Justiça, da Educação e Cultura, da ONG Repórter Brasil, da Comissão da Pastoral da Terra e outras instituições ligadas ao combater do trabalho análogo ao escravo.

Repercussões
A procuradora da República no Tocantins, Ludmila Fernandes da Silva Ribeiro, ressaltou que o trabalho escravo é crime, não é cultura como algumas pessoas pensam.

Francisca Marta Barbosa dos Santos, da Secretaria da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, frisou que a realização do concurso é muito importante para a conscientização das crianças e jovens sobre a necessidade de conhecer sobre as condições de trabalho, como local, alojamentos, formas de pagamento, aquisição de equipamentos, etc. "Esse esclarecimento começa no município, mas com as oficinas e premiações, essa conscientização sobre o trabalho escravo terá uma maior dimensão".

Para Dulce Mª Palma Pimenta Furlan, o mais importante no combate ao trabalho escravo é que várias instituições estão trabalhando juntas, nas ações educativas, de fiscalização e repreensivas. (Informações da Ascom/Seciju)


Apoie a Repórter Brasil

saiba como

Enviar Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *