A Repórter Brasil está sob censura judicial desde o dia 9 de outubro de 2015. Saiba mais.

Amazônia não é vazio a ser ocupado, observam participantes

Diversos atores sociais presentes no Fórum Social Mundial 2009, em Belém, defenderam a valorização da região como ela é – com suas riquezas naturais, seus povos e suas culturas -, e não como uma fronteira aberta a ser explorada

Belém – Representantes de comunidades, de organizações da sociedade civil e pesquisadores reunidos no Fórum Social Pan-Amazônico 2009, dia especial dentro do Fórum Social Mundial dedicado aos temas da Amazônia, repudiaram, nesta quarta-feira (28), o entendimento da região como "fronteira" a ser ocupada. Diversos atores sociais presentes no encontro defenderam, em várias mesas e debates, a valorização da região como ela é – com suas riquezas naturais, seus povos tradicionais e suas culturas -, e não como um "vazio" a ser ocupado por empreendimentos vindos de fora da Amazônia.

"O principal problema hoje são as hidrelétricas. Essas obras prejudicam a vida dos povos indígenas", afirmam, em uníssono, indígenas Krahô e Arara, um dos 16 diversos povos afetados pela construção da Usina Hidrelétrica (UHE) de Belo Monte, uma das grandes obras de infra-estrutura que fazem parte dos planos governamentais mais criticadas no Fórum Social Mundial. Além dos deles, outros 13 povos – Kaiapó, Mundurucu, Assurini, Araweté, Panará, Kararó, Mbengokre, Kokramouro, Juruna, Xipaia, Kuruaya, Apinajé, Paracanã e Xikrim – reunidos em 14 aldeias, sofrerão impactos da construção da obra no Rio Xingu.

Aldalice Moura, da Associação Brasileira de Organizações Não-Governamentais (Abong), ressalta que os povos originários marcam forte presença no Fórum porque são os que mais sofrem com essas grandes intervenções vindas de fora no ambiente amazônico, moldadas na lógica do desenvolvimento econômico, mas não no humano.

Nesse sentido, os povos de nove países da chamada Pan-Amazônia que vêm resistindo à pressão "externa", servem, segundo ela, de inspiração qualitativa não só ao Fórum como ao mundo, com seus conhecimentos e seus modos de vida sintonizados e equilibrados com a natureza.

Liderança quilombola do Pará, Daniel Souza lembra que os descendentes de escravos que fugiram para a floresta mantêm, assim como os indígenas, uma relação menos degradante com o meio ambiente. "Em toda a campanha para a preservação da Amazônia, nós estamos lá. É só conferir no mapa: em praticamente todas as grandes áreas preservadas da floresta, há índios e quilombolas", declara. "Mas como sempre e também neste caso, a população negra é esquecida",

Segundo ele, existem pelo menos 320 núcleos quilombolas só no Pará (94 delas já reconhecidas pelo Estado), quarto estado em número de comunidades. Elas estão espalhadas pela região tocantina (Sudeste do estado), em Guajará (Moju e Abaetetuba) e Ananindeua, mas a maior território (400 mil hectares) já titulado fica em Oriximiná, na região oeste paraense. "Nós, quilombolas da Amazônia, ainda somos `peixe pequeno`. Há 13 anos conseguimos o primeiro título". Indígenas de outros países que fazem parte da Amazônia também estão preocupados com o futuro da floresta.

Orginário do Peru, Miguel Palacin, representante da Coordenação Andina de Organizações Indígenas (Caoi), relata que os movimentos indígenas dos países andinos estão propondo uma mobilização mundial para salvar a "Pacha Mama" (Mãe Natureza), que inclui obviamente a Amazônia, em 12 de outubro deste ano (marco da colonização, data da chegada da primeira expedição européia ao continente americano). A água é um recurso sagrado. Não queremos que destruam nossa identidade, nossa vida".

"No lado do Oceano Pacífico da América do Sul, os movimentos indígenas andinos e amazônicos já uniram suas lutas. Queremos agora nos unir também com os indígenas do lado do Atlântico", completa, al Federal do Pará (UFPA), que recebe, juntamente com a Universidade Federal Rural do Pará (UFRA), as atividades do Fórum Social Mundial. Essas entidades compartilham uma visão de que a Amazônia é um espaço "esvaziado", onde é possível aplicar alternativas "inovadoras" de conservação.

A referëncia socioambiental que deu origem a muitas ONGs nos últimos anos, segundo ela, não basta. Práticas com base no entendimento da região como "laboratório" não deixam de ser violentas e usurpadoras. Para ela, é preciso que as próprias comunidades se unam e ajam coletivamente para buscar formas de garantir conquistas, de acordo com os seus valores e suas necessidades, frente às ameaças que vêm de fora da Amazônia.


Apoie a Repórter Brasil

saiba como

3 Comentários

  1. ABRAÃO BASTOS

    A AMAZONIA É UM VAZIO QUE DEVE SER OCUPADA POR BRASILEIROS. AS ONGs EUROPEIAS ALUGARAM OS INDIOS E OS POBRES DA AMAZONIA POR QUE QUER TRANFORMA-LA NUM SANTUARIO ECOLÓGICO. MAS VÃO PERDER O INVESTIMENTO, POIS OS AGRICULTORES DO SUL E DO SUDESTE ESTÃO LEVANDO A MELHOR. PRODUZINDO RIQUEZAS E MARCANDO A PRESENÇA BRASILEIRA. QUANTO A DEVASTAÇÃO DA FLORESTA , CABE AO GOVERNO FISCALIZAR O ONDE NÃO SE DEVE DESFLORESTAR.

    Responder
  2. Alice Bragato

    Nossa luta tem que continuar e nosso presidente preisa respeitar os nativos e preservadores ante satisfazer o modo egoista das granes empresas.
    É visível a necessidade urgente de se preservar. O capital não pode estar acima de SER. Parabéns a todos que se manifestarm nessa matéria. “Outro mundo é possível”, estamos a caminho.
    Alice Bragato- movimento popular.

    Responder
  3. DAMATA

    O capitalismo, durante os seus mais de quinhentos anos de presença na América, já nos deu tempo suficiente para entendermos do que ele é capaz: degradação da natureza, exclusão social, exploração do ser humano, egoísmo, corrupção e, por ai vai. Não dá pra falar de possibilidade de um mundo melhor dentro da lógica capitalista. É necessário romper com esse sistema e só assim, a humanidade terá condições de buscar melhorias para todos e não para um grupo minoritário de privilegiados que vivem muito bem as custas de miséria do outro.

    Responder

Enviar Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *