A Repórter Brasil está sob censura judicial desde o dia 9 de outubro de 2015. Saiba mais.

Subestimados, movimentos do campo apresentam plataforma

Movimentos sociais do campo e da cidade agitam país com protestos. Governo recebe propostas estruturantes de curto prazo em prol da produção familiar. "O problema da terra é muito maior do que se imagina", diz pesquisador

Movimentos sociais rurais e organizações do meio urbano que participam da articulação da Assembléia Popular promoveram protestos e ocupações públicas que agitaram o país nas duas últimas semanas. Os manifestantes denunciam problemas relacionados com o modelo econômico sob a égide do sistema financeiro que incentiva a expansão do agronegócio e aumenta o poderio de grandes produtores e empresas transnacionais.

Grupos populares protagonizaram ações diretas em repúdio aos impactos de empresas como Vale (mineração), Stora Enso (papel e celulose), Bunge (fertilizantes e grãos), Suez-Tractebel (geração de energia), Netuno Alimentos (pescado), Camargo Corrêa e Odebrecht (construção) e Grupo Votorantim, com atuação em diversos setores. Houve bloqueios de estradas e tomada de espaços públicos contra o projeto de transposição do Rio São Francisco (no Nordeste), a repressão do governo do Rio Grande do Sul, as promessas não cumpridas do governo de Alagoas; fazendas como a do atual senador e ex-governador da Paraíba, José Maranhão (PMDB-PB), foram ocupadas.

Empresas ligadas ao ramo da energia – Companhia Energética de Goiás (Celg), Companhia Energética de Minas Gerais (Cemig), Rio Grande Energia (RGE), Companhia Hidrelétrica do Vale do São Francisco (Chesf) – também sentiram a pressão dos movimentos do campo e da cidade, que contestaram também as condutas do governo e das empresas no processo de construção das usinas do Complexo do Rio Madeira, em Rondônia.

Membros da Via Campesina entregam conjunto de propostas ao governo (Foto: José Cruz/ABr)

No encontro com o chefe de gabinete da Presidência da República, Gilberto Carvalho, representantes da Via Campesina (que congrega os movimentos camponeses) entregaram um documento com "Programas Estruturantes de Curto Prazo". A plataforma sugere, entre outras medidas, a aplicação de um programa nacional de incentivo ao manejo florestal, à agroecologia e ao reflorestamento de dois hectares por família camponesa, um programa nacional de agroindústria familiar e cooperativa, um programa de compra de alimentos da Companhia Nacional de Abastecimento (Conab) e garantia de preços para alimentos básicos, um programa de geração de energia renovável em pequena escala e a constituição de uma empresa estatal de fertilizantes.

A expansão da monocultura – plantações de soja e de eucaliptos – e a extração ilegal de madeiras e a mineração, juntamente com projetos de desenvolvimento, como a construção de usinas hidrelétricas e o projeto de transposição do Rio São Francisco estiveram, segundo o Relatório Anual 2008 da Anistia Internacional, "entre as principais fontes de conflito". "Aumentaram as expulsões forçadas, geralmente envolvendo ameaças e intimidações. Segundo a Comissão Pastoral da Terra (CPT), de janeiro a setembro de 2007 foram expulsas 2.543 famílias em todo o Brasil, um aumento significativo com relação a 2006", descreve o documento da organização internacional.

"Ativistas rurais e povos indígenas que realizam campanhas por acesso à terra foram ameaçados e atacados por policiais e por seguranças privados", assinala a Anistia. No item "Disputas por terra", a entidade sublinha a continuidade da violência nas áreas rurais, "geralmente em situações de disputa que opunham, de um lado, grandes proprietários de terra e, de outro, trabalhadores rurais sem terra e povos indígenas ou quilombolas".

O assassinato de Valmir Motta de Oliveira, o Keno, liderança do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST), é citado no relatório da Anistia. Em novembro de 2007, homens armados da empresa privada de segurança NF atacaram um grupo de trabalhadores rurais que ocupavam propriedade da multinacional Syngenta, próxima ao município de Santa Teresa do Oeste (PR). Keno morreu com um tiro no peito. "Um segurança da empresa [NF] também foi morto a tiros em circunstâncias incertas. Outras oito pessoas foram feridas no ataque, entre elas Izabel Nascimento, espancada até perder os sentidos. O assassinato se enquadra em um padrão de violência e intimidação há muito perpetrado pelas milícias rurais no Paraná", colocam os ativistas.

"Caveirão do agronegócio": quebra-mato, lateral revestida e com buracos (Foto: Terra de Direitos)

Na madrugada de 8 de maio, um grupo armado utilizou um caminhão preparado com grade "quebra-mato", lateral revestida com proteção de placas de ferro e pequenas aberturas para o disparo de tiros para destruir lavouras e construções do Acampamento Primeiros Passos. Pertencente a Orlando Carneiro, dono da Fazenda Bom Sucesso (situada próxima ao acampamento), o veículo especial ganhou a alcunha de "caveirão do agonegócio".

Os pistoleiros derrubaram as moradias das 150 famílias do Movimento de Libertação dos Sem Terra (MLST) acampadas nas cercanias da Rodovia BR-369, entre os municípios de Cascavel (PR) e Corbélia (PR). Um (Luciano Gomes Resende) dos dez pistoleiros presos em flagrante pela polícia é contratado da mesma empresa NF, que presta serviços à Sociedade Rural do Oeste (SRO). De acordo com Gisele Cassano, assessora jurídica da organização não-governamental (ONG) Terra de Direitos, os produtores rurais da região contribuem com uma arrecadação mensal para pagar o serviço de segurança privada armada. "Pedimos o fechamento da empresa, que atuou em outro caso de despejo no município de Lindoeste (PR) em abril de 2007, mas ainda não fomos atendidos", coloca a advogada.

"A questão agrária é um problema estrutural do capitalismo. A reprodução da miséria, da expropriação e da desigualdade no campo alimenta o sistema", contextualiza o geógrafo Bernardo Mançano, professor da Universidade Estadual Paulista (Unesp) em Presidente Prudente (SP). Ele frisa que o agronegócio controla cerca de 70% das terras agricultáveis (300 milhões de hectares), recebe 90% dos recursos públicos para financiamento e produz somente 50% dos alimentos. Enquanto isso, os produtores familiares controlam somente 30% da área (120 milhões de hectares), fica apenas com 10% dos recursos públicos de crédito e produz igualmente 50% dos alimentos.

Metade desse total de 120 milhões de hectares de terras ocupados por pequenos produtores foi conquistada por meio de ocupações, de acordo com o professor, que coordena o Núcleo de Estudos, Pesquisas e Projetos de Reforma Agrária (Nera). Dados coletados e cruzados pelo professor da Unesp mostram que os números de ocupações de terra tanto da CPT quanto da Ouvidoria Agrária Nacional, ligada ao Ministério do Desenvolvimento Agrário (MDA), subestimam a realidade. "Não existe um procedimento científico para acompanhar a demanda pela reforma agrária. Mesmo a confrontação que fizemos é parcial. O problema da terra é muito maior do que se imagina".

Notícia relacionada:
Proposta do MST se aproxima de relatório e de iniciativa da ONU


Apoie a Repórter Brasil

saiba como

9 Comentários

  1. edmilson botequio

    por tudo aqui exposto, resta evidente, que a solução é a reforma agrária, com limitação do tamanho das propriedades rurais por pessoa. Essa medida pode ser feita sem muitos traumas, dando um prazo para que as as propriedades sejam subdivididas e vendidas, outras desapropriadas para assentamento dos pequenos produtores, proximas às cidades, Enfim, medida essencial para a pacificação no campo, para melhor distribuição de renda e poder, inclusive para o desenvolvimento com sustentaiblidade. Mas, cadê a coragem e vontade política?, cadê a força política do povo? cadê a consciência dessa medida pela propria pequena burguesia?….

    Responder
  2. Hélio Q. Jost

    A organização e a coesão é fundamental para atingir os objetivos. O agronegócio, através de produção em larga escala é nocivo. Chega de “passeio” de grãos, frangos, suinos, que viajam mais do que qualquer cidadão.. Estamos exportando petróleo com essa “logística” capitalista e encarecendo os produtos da cesta básica.

    abraços, Hélio.

    Responder
  3. Douglas Cerezini

    Os movimentos ligados direta ou indiretamente ao MST perderam a oportunidade de se constituir uma referência na luta pela reforma agrária para se tornar uma organização “com claras características de bandidagem”. “Esses grupos não hesitam em utilizar vandalismos para fazer valer sua vontade. Cabe ao governo federal exercer sua autoridade e aplicar o rigor da lei na punição desses BANDIDOS INVASORES. A ausência de penalidade para os abusos desse bando cria um clima de instabilidade junto à sociedade o que é extramente prejudicial para o país.

    Responder
  4. rosâna r. de lima

    E continua: ” muito em poucas mãos e nada em muitas mãos”.
    Quem ignora as famosas INFILTRAÇÕES nos movimentos sociais para desacreditá-los perante a sociedade e o famoso “mostra o que nos interessa dos MANDATÁRIOS”?????

    Responder
  5. Claudia

    O que importa é que devemos apoiar os movimentos, mesmo que eventualmente a coisa fique esquisita. Não dé para saber a verdade sobre tudo, apenas sabemos que a situação da desigualdade no campo é um filme de terror. Por isso não há como ficar criticando o MST ou a Via Campesina. Apoio total aos movimentos do campo!

    Responder
  6. Eduardo Magalhães

    O MST, se transformou em um bando de bandidos, não é segredo pra ninguém, que esses malandros, invadem as terras e depois as vendem, também não é segredo que muitos desses bandidos invadem a mesma terra várias vezes e só saem se receberem dinheiro em troca. Isso é uma pouca vergonha, esse bando de safado, apronta e ficam impunes enquanto na verdade deveriam receber pau e cadeia.

    Responder
  7. J.E.Mato Grosso

    O movimento dos sem-terra, é um movimento de bandidos, que promovem a desordem, a baderna, invadem propriedades privadas, propriedades estas que na sua maioria são produtivas, sim porque esse bando só quer terra boa e formada, talvez porque seja mais fácil deles venderem elas depois.
    É uma vergonha a baderna que esse bando promove em nosso país, mais vergonhoso ainda é o fato do governo federal assistir a tudo isso e não fazer nada.

    Responder
  8. Alfeo Teodoro Palhares

    Faço minhas as palavras proferidas pelos comentários dos amigos que como eu estão indignados com o movimento do MST, bem como estão indignados também com o postura do governo federal que não faz nada para impedir estes baderneiros continuem agindo neste país.

    Responder
  9. luciano

    Acho que o mst virou massa de manobra, para uns poucos que ganham muito com isso. Se falaram muito do keno, morto no confronto com os seguranças, mas níguem fala que ele era funsionario do estado do paraná e ganhava mais de r$4.000 por més,ai dizem que quem esta no mst são produtores ruras,eu acho que se deve rever os critérios do mst

    Responder

Enviar Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *