A Repórter Brasil está sob censura judicial desde o dia 9 de outubro de 2015. Saiba mais.

Marcha no Tocantins reúne manifestantes pelo fim da escravidão

Ato reuniu cerca de mil pessoas nesta terça-feira (13) em Araguaína (TO). Manifestação faz parte do Festival da Abolição, que reúne eventos como oficinas, mostra de filmes e apresentações culturais em nove cidades

Araguaína – Em plena data que marca os 120 anos da assinatura da Lei Áurea, cerca de mil pessoas participaram de uma marcha pelo fim da escravidão e da injustiça social no campo, na manhã desta terça-feira (13), no município de Araguaína (TO). Desde 1995 – quando as ações do grupo móvel de fiscalização do Ministério do Trabalho e Emprego (MTE) foram lançadas – até hoje, mais de 28 mil trabalhadores já foram libertados no Brasil.

Cerca de 1 mil pessoas percorreram as ruas do centro de Araguaína (Foto: Fernanda Sucupira)

A "Marcha da Abolição" saiu de frente da Universidade Federal do Tocantins (UFT) e percorreu o centro da cidade. Os participantes cantavam sustentando faixas e cartazes com mensagens como "Aprovação da PEC 438 [a chamada PEC do Trabalho Escravo, que prevê o confisco de terra onde houver exploração de mão-de-obra escrava] Já!" e "Liberdade, vem e canta", tema central do Festival da Abolição, que começou segunda-feira (12) e vai até sábado (17) em nove cidades-pólo da região de Araguaína. Serão oficinas, filmes, lançamentos de livros relacionados ao tema, além de apresentações de música e teatro de comunidades envolvidas em iniciativas voltadas ao combate à escravidão.

Quando a marcha parou em frente ao Fórum da Justiça, os manifestantes lembraram das mortes de defensores dos direitos humanos, como o padre Josimo Morais Tavares (1986), as lideranças Expedito Ribeiro de Souza (1991), de Rio Maria (PA), e Raimundo Ferreira, o Gringo, de Conceição do Araguaia (PA), e a irmã Dorothy Stang (2005). O protesto condenou a impunidade contra os mandantes dos crimes. Na semana passada, um dos acusados de ser o mandante do assassinato de Dorothy Stang, Vitalmiro Bastos Moura – conhecido como "Bida" -, foi absolvido pelo Júri Popular, depois de ter sido condenado a 30 anos de prisão no julgamento anterior.

Entre os manifestantes, estiveram presentes professores e estudantes de Araguaína e comunidades da região que farão apresentações durante o Festival (veja vídeo). Também havia centenas de jovens, muitos deles ligados à Pastoral da Juventude Rural (PJR) e à Comissão Pastoral da Terra (CPT).

Os moradores do Acampamento Bom Jesus, do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST), viajaram desde Filadélfia (TO) para participar da "Marcha da Abolição". Ainda nesta terça-feira, os "sem-terrinha", grupo das crianças do acampamento fazem uma apresentação no encontro da Comissão Estadual de Erradicação do Trabalho Escravo (Coetrae) do Tocantins, que se realiza especialmente em Araguaína. "Ainda existe trabalho escravo e queremos acabar com isso. Saímos do Acampamento às 4h da manhã para estarmos aqui hoje juntos nessa luta", testemunha a liderança Eliene Sirqueira.

Estudantes marcharam ao lado de assentados e quilombolas (Foto: Fernanda Sucupira)

Para o frei Xavier Plassat, coordenador da Campanha Contra o Trabalho Escravo da CPT e um dos organizadores do Festival da Abolição, a marcha personifica o espírito do combate a escravidão no Tocantins hoje, por reunir atores diferentes em torno do tema. "A marcha permite a união de públicos tão diferentes como as crianças sem-terra do Acampamento Bom Jesus e as crianças da escola municipal de Araguaína", define. "É uma maneira de dizer que só caminhando juntos é que vamos vencer o trabalho escravo."

Durante a marcha, homens e mulheres da Comunidade Quilombola de Cocalim, em Santa Fé do Araguaia (TO), dançaram o tradicional Lindô (confira vídeo). Cerca de 50 pessoas que fazem parte do grupo vieram participar do Festival da Abolição. De acordo com Maria do Espírito Santo, presidente da Associação da Comunidade Quilombola de Cocalim, a dança saúda a lua cheia e é típica dos escravos na região de São Luís (MA), origem da comunidade.

Para ela, a mobilização contra a escravidão faz parte da própria luta pela autonomia de Cocalim, que sofre pressão das propriedades vizinhas. "Antes a gente vivia só plantando dentro da nossa área. Hoje a terra não dá, a maioria da comunidade trabalha fora". Maria conta que a infiltração de não-quilombolas é outro problema enfrentado pela comunidade. "Com essa mistura, aumentou a inimizade, não estamos mais unidos como antes. E outras pessoas estão deixando de dançar, por vergonha ou preconceito, não sei".

Festival
Xavier Plassat explica que o Festival nasceu da idéia de ampliar a Semana da Terra Padre Josimo, aproximando as datas da Romaria do Padre Josimo, que acontece todos os anos em Buriti (TO), com a da Abolição da Escravatura.

"Vamos mostrar a cara de quem já deu alguns passos no combate a escravidão no Tocantins, de uma forma leve, divertida", expõe. Segundo ele, há uma mudança clara da postura do Estado com relação ao trabalho escravo, passando a se envolver mais com relação ao problema. "Se houve avanços, foi resultado de muita luta, de uma organização crescente e paciente".

Ele lembra a importância do Projeto "Escravo, Nem Pensar!", da ONG Repórter Brasil, para as articulações entre movimentos sociais tocantinenses. "A Repórter Brasil trouxe novos atores para o combate a escravidão, por envolver professores da rede pública, que nós [da CPT] não trabalhávamos antes. O novo público abriu uma alavanca multiplicadora, com iniciativas que vão se renovando."

Veja os vídeos da Marcha da Abolição e da dança Lindô

Noticia relacionada:
Júri popular ratificou séculos de latifúndio e escravidão, diz jurista


Apoie a Repórter Brasil

saiba como

Enviar Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *