A Repórter Brasil está sob censura judicial desde o dia 9 de outubro de 2015. Saiba mais.

Trabalhador escravo é torturado com ferro quente no Pará

Fiscalização encontrou 35 pessoas em situação análoga à escravidão em área de fazendeiro reincidente no crime. Denúncia partiu de trabalhador que diz ter sido marcado com ferro quente quando reclamou de salários atrasados

Mais de sessenta cicatrizes recentes de ferro quente marcam o trabalhador de cerca de 30 anos que denunciou trabalho escravo em uma fazenda de Paragominas, no Leste do Pará. De acordo com seu relato, foi torturado pelo patrão e mais dois capangas quando reclamou das más condições de alimentação e do salário atrasado. Fugiu da fazenda no início de janeiro e, depois de dezenas de quilômetros a pé e de muitas caronas, conseguiu contar sua história à Superintendência do Trabalho e Emprego (SRTE) do Pará.

Trabalhador denunciante afirma ter sido marcado a ferro quente pelo patrão e dois capangas quando exigiu pagamento de salários atrasados (Foto: SRTE-PA / Divulgação)

Na última terça-feira, a fiscalização rural da SRTE esteve na fazenda denunciada, e comprovou parte das informações passadas pelo trabalhador. Foram encontradas 35 pessoas em situação análoga à escravidão, que dormiam em um curral abandonado, junto com esterco de boi, e eram alimentadas com restos de carne: pulmões e tetas de vaca.

A propriedade, que fica a 75km de Paragominas, chama-se Bonsucesso e pertence a Gilberto Andrade. O fazendeiro já está na Lista Suja do trabalho escravo por manter 18 pessoas em condições semelhantes no município de Centro Novo do Maranhão (MA). Essa lista, publicada desde 2003 pelo Ministério do Trabalho e Emprego (MTE), traz uma relação de pessoas e empresas flagradas cometendo esse tipo de crime.

Cicatrizes da tortura se espalham pelo rosto, braços e abdome (Foto: SRTE-PA / Divulgação)

Fezes e roupas
"Fezes de animais estavam misturadas com roupas. Nesse período de chuvas ainda é muito pior, pois se mistura a água com esterco. Além do cheiro horrível, há problemas infecto-contagiosos. O curral não servia mais ao gado, mas servia aos empregados.", relata o auditor fiscal Raimundo Barbosa da Silva, que liderou a operação na Bonsucesso.

De acordo com o auditor, as provas recolhidas na fazenda são coerentes com o relato de tortura feito pelo trabalhador fugitivo, cujo nome permanece em sigilo. Os trabalhadores resgatados confirmam que ele deixou o alojamento para ir reclamar dos salários e nunca mais apareceu. Além disso, informam que nessa época não havia cicatrizes em seu corpo.

Nenhum dos 35 libertados em Paragominas tinha carteira assinada. A maior parte deles havia chegado em dezembro para fazer a limpeza do pasto para o gado, mas ainda não havia recebido salário. Em uma cantina mantida pela fazenda, eram vendidos fumo, sabonetes e equipamentos de proteção individual que, pela lei, devem ser fornecidos gratuitamente pelo empregador. Todo o gasto dos trabalhadores estava anotado em um caderno.

"Como não havia pagamento de salário, ainda não havia desconto [no salário]. Mas, pela nossa experiência, sabemos que essas anotações seriam usadas para cobrar do trabalhador", explica Raimundo Barbosa.

A rescisão do contrato com os peões custou R$ 45 mil a Gilberto Andrade. De acordo com o procurador Ministério Público do Trabalho (MPT) Francisco Cruz, que acompanhou a fiscalização, o órgão ajuizará uma ação civil pública pedindo uma indenização por danos morais coletivos. Além disso, o fazendeiro também poderá responder na Justiça comum por outros crimes, caso seja comprovado que participou da tortura ao trabalhador denunciante.

A Repórter Brasil tentou localizar o fazendeiro para comentar o caso, mas ele não foi encontrado até o fechamento desta matéria.


Apoie a Repórter Brasil

saiba como

33 Comentários

  1. Sandra Maria C Grilo

    Que país é este? Meu Deus … que ainda permite tantas barbaridades. Onde está a nossa indignação? Precisamos acordar … indíviduos e organizações e dar o grito de BASTA!

    Responder
  2. Renata Sampaio

    Meu Deus! Será que realmente estamos vivendo o final dos tempos??? Isso é um absurdo…

    Responder
  3. Diógenes

    Solicitamos à Reporter Brasil manter informações sobre o processo de condenação deste e de outros fazendeiros. Ex.: como está a o processo contra o Reitor da Univerdade de Uberaba – UNIUBE – Marcelo Palmério?

    Responder
  4. fabricia

    Alguém tem que tomar uma atitude urgentemente contra esses monstros que se aproveitam das pessoas desamparadas pelo o serviço público, porque em pleno secúlo 21 acontecendo esses absurdos assim não da. Agora fica a pergunta, quem é esse alguém? sou? ..você?…??????

    Responder
  5. Maria de Lourdes Toledo Nanci

    Estou indignada. Mas, de que adianta a minha indignação? O próprio articulista diz que o fazendeiro é reincidente nesse procedimento. Peço a ajuda de Deus para nos proteger, pois o Estado Brasileiro parece que está dissolvido.

    Responder
  6. Juliano

    Estive esta semana na Fazenda e acompanhei todo o processo e posso garantir que a realidade de lá não chega nem perto desses absurdos relatados pela polícia. No local onde estavam trabalhando existem mais de 10 casas boas com água de exelente qualidade, linha de ônibus que passa diariamentepela fazenda. No local encontrei condições tipicas de uma fazenda e relatos de pessoas super satisfeitascomo empregador e com as condições fornecidas. ao contrário das notícias fornecidas pela própria polícia e pelos trabalhadores que almejavam receber um salário além do combinado, existem outros que alí trabalham por vários anos indignados com os absurdos reportados.

    Responder
  7. danilo sanches

    A fazenda pode estar em boas condições, mas ostrabalhadores, não só não estão, como são torturados.
    Infelizmente, e posso estar errando pelo excesso, me sinto tendencioso a sugerir penas capitais a esses crimes.
    Inaceitável.

    Responder
  8. Jornandes da Silva  Santos

    Fiquei horrorizado, com o depoimento desse trablhador que se diz marcado com ferro quente pelo patrão. Acho que a Justiça tem investigar com Urgência esse caso, porque isso é tentativa de assassinato. Vejo as cicatrizes na foto será que esse trabalhador teria coragem de marcar o próprio corpo para incriminar o patrão?
    O Brasil precisa tomar uma atitude porque quanto mais se denuncia , a mídia veicula e os casos continua aumentando não dá para entender o que está acontecendo a controvérsias ou não?
    O primeiro passo é comprovar esse caso se realmente esse trabalhador foi marcado com ferro quente pelo patrão , a prova está no corpo alguém tem que ser punido.!

    Responder
  9. roberto franco

    Estamos divulgando este e todos os casos de escravidao divulgados pelo Reporter Brasil em toda a regiao Noroeste do Estado de Sao Paulo e para mais de 1000 pessoas que tambem sao contra estas barbaridades cometidas pelos Senhores feudais, que tem exatamente esta idade mental; IDADE MEDIA, ERA DAS TREVAS.

    Responder
  10. Manuel de Jesus Rodrigues

    A história do trabalhador torturado é muito triste… mais triste ainda é vivermos numa sociedade onde só os mais frágeis no contexto social é que vão parar na cadeia. O caso desse trabalhador é de polícia. O dono da fazenda deveria ir pra cadeia e lá permanecer pelo crime que cometeu. Sabemos que isso não acontece. No máximo ficará algumas horas e em seguida o advogado muito bem remunerado o tirará das grades. E o ciclo se repete. O maior fraudador da SUDAM (ROUBOU MILHÕES DO POVO BRASILEIRO) morreu por acidente dentro de sua mansão (COMPRADA COM DINHEIRO ROUBADO). Alguns pobres morrem na prisão. CONCLUSÃO: O NOSSO SISTEMA INCENTIVA DELITOS DE GRANDES PROPORÇÕES, MESMO CONTRA OS MAIS FRÁGEI

    Responder
  11. Isabela Vieira

    Não acredito que alguém ainda pode defender esse fazendeiro! Fala sério! Os fiscais do trabalho desenvolvem um trabalho sério! Não têm porque mentir! O que eles vão ganhar com isso?! Em vez de defender esse fazendeiro e seus capangas torturadores, os leitores desse site deveriam se mobilizar para cobrar punição e retratação pública do dito empresário!

    Responder
  12. Josué Almeida Moura

    Olá,
    Acho que faltou uma informação: qual naturalidade da vítima, de onde ele é?

    Responder
  13. alfio

    Seguinte: tomem esta reportagem e encaminhem para Katia Abreu (DEM) e Flexa Ribeiro (PSDB) e procurem saber deles se´ainda assim é necessário dar nova conotação ao significado do trabalho escravo no mundo moderno ( deles, lógico).
    Não há palavras, não há saber a nacionalidade os direitos humanos não falam de nacionalidade, falam de seres humanos.
    Caso mandem, tomo aliberdade de enviar aos e-maisl daqueles senadores acima mencionados.

    Responder
  14. samuel

    Eh! é mesmo revoltante, aí vai meu total repudio e indignação à todoos esses criminosos,que escravizam o ser humano, e ainda tortura, isso não se faz nem a um animal. seria bom pegar todos esses maus elementos e fzer o mesmo com eles pra ver se eles gostar!!!!

    Responder
  15. samuel

    Pelo que percebi tem gente intereçada em saber a naturalidade do pobre coitado,que poderia ser Eu, isso não interça, o que temos é que lutar para acabar com essa bandalheira toda e moralizar a nossa casa BRASIL!!!!! me desculpem se pareceu dasforo mas não é não.

    Responder
  16. Ricciotti Piana Filho

    Barbaridade.
    A multa é muito barata!!!
    Com certeza não é este um caso isolado.
    ricciotti

    Responder
  17. alfio bogdan

    É o caso de se confiscar as terras desta fazenda para a reforma agrária, “colocar a ferros” os praticantes de tamanha barbaridade e chamar Katia Abreu e Flexa Ribeiro para acomapnahrem o laudo do exame médico das vítimas. Que se façam cirurgia reparadora no corpo do rapaz e enviem a conta para os fazendeiros. O pobre levará a pecha de Caim ( irmão do Abel) se continuar com as marcas.

    Responder
  18. Denize Duarte

    É REVOLTANTE SABER QUE EM PLENO SÉCULO XXI AINDA EXISTA ESSE TIPO DE SITUAÇÃO NO BRASIL.
    É MAIS REVOLTANTE AINDA SABER QUE TALVEZ, O FAZENDEIRO NEM SEJA PUNIDO DEVIDAMENTE, UMA VEZ QUE, SE FAZ PARTE DESSA LISTA, E PORQUE COMETEU O MESMO CRIME ANTERIORMENTE E NADA FOI FEITO!

    Responder
  19. Giane Soares da Silva

    Em nada me espanta o ocorrido, pois passado 4 anos da CHACINA DE UNAI, onde o tiro além de atingir a cabeça de 4 seres humanos atingiu tbm o coração do ESTADO BRASILEIRO, e nada foi feito , A IMPUNIDADE GERA O QUE AI VEMOS, pq os mandantes são poderosos, politicos e com muita grana, e o mesmo com esse ai que com certeza pagara uma multa que poderá ser retirada com o trabalho de advogados caros que vivem de defender bandidos. A VERDADE É OU MUDAMOS NÓS, COM LUTA E COBRANÇA OU NADA VAI ACONTECER, tem de ser debaixo para cima pq não espro mais nada desses governantes que ai estão. UMA LUTA ARMADA PQ NADA MUDA SEM SANGUE, se eles agem dessa forma então seria essa a forma de responde-los

    Responder
  20. Antonio Carvalho

    É uma vergonha que ainda exista este tipo de escravidão em nosso pais, porém as leis existem falta só ser colocadas em pratica.

    Responder
  21. Robson Messias

    Tenho ficado horrorizado com tanta barbaridade, e temos que fazer uma corrente, juntamente com todos aqueles que estão indiginados com este tipo de pratica. passe isso para seus amigos divulgue..

    Responder
  22. Marcos Delgado

    Já recebo, semanalmente, o boletim informativo da “Repórter Brasil” e, é incrívelmente absurdo o que ainda acontece. Nem parece que estamos no século 21. O homem do mundo atual tem muito conhecimento, está cada vez mais longe em suas descobertas, como células tronco, vida em outros planetas, transplantes de órgãos, sistema de informação, etc.. Mas, infelizamente, muitas pessoas não desenvolveram uma coisa muito importante: o amor pelas pessoas, o respeito pela natureza, a compaixão…. para muita gente o que está no lugar desses sentimentos é a ganância, a deslealdade,um “vício” pelo poder, que cega e,considero como uma doença do ser humano: quanto mais tem, mais quer.

    Responder
  23. Marcelo

    Este tipo de crime deveria ser inafiançavel, fazendeiro ordinário, devia ser colocado na solitária por um longo tempo para refletir ….

    Responder
  24. Lucinda Rolnic Rodrigues

    Quem foi que simbolizou a princesa Isabel como redentora?
    Desde quando e quem está livre da escravidão neste país já sem pátria?
    Quem se diz livre para ir e vir com tantos abomináveis caçadores as soltas?
    E quem nunca sentiu as chibatadas e o ferro em brasa sdevorando todo o seu ser sob olhares de leões famintos esperando seus banquetes?
    Ai de nós escravos eternos dos senhorios desta Terra, quantos destes servos já não se transformaram em hemionos, uma espécie de mamífero com casco, representando metade burro e metade cavalo!

    Responder
  25. Maria Santos

    Importante publicações desse tipo, que ñ oculta os crimes que os capitalistas cometem em nome da ganancia. Gostaria de saber qual será a punição para esses bárbaros?

    Responder
  26. Claudo Ferreira

    Até quando vamos esperar a boa vontade do estado de resolver esses repetidos casos?
    Será que a sociedade perdeu a capacidade de se indignar?
    Vamos continuar fechando os olhos para essas e outras atrocidades?
    Só mais uma perguntinha, será que nesse país lei só é aplicada quando fere o interesse das classes dominantes?

    Responder
  27. Zaqueu Aguiar

    Como no Brasil ricos e Latifundiários não são Punidos estes tambem não serão aliás neste caso MERECIAM A PENA CAPITAL, meu caro comentarista Claudio, a sociedade brasileira não só perdeu o senso da indignação, mas ganhou o senso do consumo desenfreado e só pensam em consumir não inportando como se esta gerando os seus bens de consumo, inssentivados pelo governo, meios de comunição e pelos produtores que são na maioria inrresponsaveis em relação à VIDA HUMADA, que pena.

    Responder
  28. daniel

    so acho que hoje em dia sofre quem quer, ficar calado e uma das armas mas fortes dos que praticam este crime.

    Responder
  29. claudomiro fernandes

    É um absurdo que coisas como essas continuem acontecendo sem que sejam tomadas medidas punitivas contra esses covardes que se aproveitam da pobreza do povo, já está na das autoridades punirem exemplarmente essas pessoas para que isso não aconteça mais.

    Responder
  30. Alysson

    Isso e um absurdo

    Responder
  31. nayara

    o que e isso estao torturando mtas pessoas inocentes

    Responder
  32. BELCHIOR PEREIRA

    Isso não é marca de ferro quente, e sim marcas feitas com castanha de cajú, feita com orientação de inimigos do fazendeiro acusado.

    Responder
  33. flavio lima

    0lá!… bom pessoal!, é muito fácil falar de pobre porque o poder de vingança dele e muito inferior aos dos ricos , eu tenho propriedade de falar do caso Gilberto andrade , porque
    além de morar em Paragominas eu o conheço ele e suas filhas
    ,pra falar a verdade conheço praticamente quase toda sua família. e posso afirmar que tudo o que o agentes disseram é absolutamente verídico, vocês não sabem nem um décimo das atrocidades que acontece nas suas fazendas. eu tive contato direto com ele uma única vez, foi quando fui decarregar uma carreta de sál para o gado nos fundos do seu mercadinho perto da cidade, e ele apareceu e me ofereceu alguns queijos estragados pra eu comer, eu agradeci e disse que já tinha merendado, os queijos estava misturados a cães e porcos,
    esse tal de juliano que de ser parente desse animal não tem a mínima decência e pudor em defender esse cara, eu acho que quem defende bandido é igualmente a eles.
    O gilbeto foi em direção a uma de suas fazendas e do nada deu de encontro com um carro parado, o veiculo dele ficou parcialmente destruído, dois capangas dele ficaram feridos, e ele morreu.
    O lado da hitoria que não entra em minha cabeça é a questão da sua mote, eu nãaaaaaaao acredito definitivamente! pode mexer nesse angú que tem caroço! tá na cara que esse cara não morreu gente! é tudo uma farça, quero diser que as filhas são do mesmo jeito dele parasitas, elas estudaram e se formaram com o dinheiro que o pai roubou dos trabalhadores.
    se no Brasíl tivesse mesmo justiça teria que tomar tudo que pertence a esse demônio!.gente é até perigoso eu fazer esse comentário, mas não vou ser covarde e esconder meu nome porque alguém tem que falar!,desculpa pela indignação ok?.

    Responder

Enviar Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *