A Repórter Brasil está sob censura judicial desde o dia 9 de outubro de 2015. Saiba mais.

MPT faz audiência para impedir o trabalho infantil em Santelmo

Pederneiras – O Ministério Público do Trabalho (MPT) realiza dia 14 de fevereiro a primeira audiência do caso do adolescente Andrei Rodrigues, 15 anos, morto em um acidente na sexta-feira na lavoura de laranja no distrito de Santelmo, em Pederneiras (26 quilômetros de Bauru). A audiência está agendada para as 15h, na Procuradoria do Trabalho, em Bauru. O valor da indenização para reparação difuso e coletivo para a família do menor poderá ser revertida para os familiares de Andrei. "Além da ação civil pública, vamos pedir uma indenização para reparação difuso e coletivo. Via de regra, esse dinheiro vai para o fundo de amparo ao trabalhador. Nós pretendemos negociar com a empresa para o recurso servir para a compra de uma casa para a família, para que ela fique melhor amparada", revela o procurador do Trabalho, Marcus Vinícius Gonçalves. Após o acidente, surgiram várias suspeitas em relação à fazenda. Uma delas é que a propriedade rural seja a mesma onde os trabalhadores rurais, no ano passado, atuavam como trabalho análogo ao escravo, comenta Gonçalves. "A situação está meio estranha. Eles alegam que os proprietários sejam quatro irmãos. É possível que seja a mesma fazenda que tinha trabalho escravo." O trabalho escravo foi atribuído a uma fazenda de propriedade de Mauro Simonetti, que bancou as verbas rescisórias. "Agora estão alegando que pertence a Pedro Simonetti." Outro ponto que está causando estranheza para o procurador é o fato do mesmo administrador aparecer como representante de ambos os fazendeiros. "O representante da fazenda Água de Ouro, onde ocorreu o acidente, mostrado na TV, era Helton Pereira Barin. Ele é uma das pessoas que o MPT vai representar como suposto autor do trabalho escravo." Outras coincidências ainda envolvem o caso, admite o procurador. "Todos os envolvidos são da família Barin. O tratorista é João Pereira Barin e o pai dele, Sílvio Pereira Barin. Na opinião de Gonçalves, a maioria das pessoas envolvidas no trabalho escravo está envolvida no acidente com o trator. "Abre um precedente, caso isso se confirme. No caso de se positivarem as suspeitas, o Ministério Público do Trabalho pretende ser mais rigoroso. A nossa idéia é fazer um Termo de Ajustamento de Conduta (TAC)." O delegado que cuida do caso, José Claudinei Salvadeo, disse ontem que ainda não ouviu novas testemunhas, o que deverá ser feito ainda esta semana. Morte O acidente aconteceu durante a madrugada de sexta-feira, na fazenda Água de Ouro, distrito de Santelmo, em Pederneiras. O menor Andrei Rodrigues, 15 anos, foi atropelado por um trator usado no carregamento de laranja. As circunstâncias do acidente ainda estão sendo apuradas pela polícia. O adolescente trabalhava irregularmente na coleta de sacolas de laranja, caracterizando trabalho infantil para o Ministério Público do Trabalho (MPT). Rita de Cássia Cornélio – 29/01/2008

Pederneiras – O Ministério Público do Trabalho (MPT) realiza dia 14 de fevereiro a primeira audiência do caso do adolescente Andrei Rodrigues, 15 anos, morto em um acidente na sexta-feira na lavoura de laranja no distrito de Santelmo, em Pederneiras (26 quilômetros de Bauru). A audiência está agendada para as 15h, na Procuradoria do Trabalho, em Bauru.

O valor da indenização para reparação difuso e coletivo para a família do menor poderá ser revertida para os familiares de Andrei. "Além da ação civil pública, vamos pedir uma indenização para reparação difuso e coletivo. Via de regra, esse dinheiro vai para o fundo de amparo ao trabalhador. Nós pretendemos negociar com a empresa para o recurso servir para a compra de uma casa para a família, para que ela fique melhor amparada", revela o procurador do Trabalho, Marcus Vinícius Gonçalves.

Após o acidente, surgiram várias suspeitas em relação à fazenda. Uma delas é que a propriedade rural seja a mesma onde os trabalhadores rurais, no ano passado, atuavam como trabalho análogo ao escravo, comenta Gonçalves. "A situação está meio estranha. Eles alegam que os proprietários sejam quatro irmãos. É possível que seja a mesma fazenda que tinha trabalho escravo."

O trabalho escravo foi atribuído a uma fazenda de propriedade de Mauro Simonetti, que bancou as verbas rescisórias. "Agora estão alegando que pertence a Pedro Simonetti."

Outro ponto que está causando estranheza para o procurador é o fato do mesmo administrador aparecer como representante de ambos os fazendeiros. "O representante da fazenda Água de Ouro, onde ocorreu o acidente, mostrado na TV, era Helton Pereira Barin. Ele é uma das pessoas que o MPT vai representar como suposto autor do trabalho escravo."

Outras coincidências ainda envolvem o caso, admite o procurador. "Todos os envolvidos são da família Barin. O tratorista é João Pereira Barin e o pai dele, Sílvio Pereira Barin.

Na opinião de Gonçalves, a maioria das pessoas envolvidas no trabalho escravo está envolvida no acidente com o trator. "Abre um precedente, caso isso se confirme. No caso de se positivarem as suspeitas, o Ministério Público do Trabalho pretende ser mais rigoroso. A nossa idéia é fazer um Termo de Ajustamento de Conduta (TAC)."

O delegado que cuida do caso, José Claudinei Salvadeo, disse ontem que ainda não ouviu novas testemunhas, o que deverá ser feito ainda esta semana.

Morte
O acidente aconteceu durante a madrugada de sexta-feira, na fazenda Água de Ouro, distrito de Santelmo, em Pederneiras. O menor Andrei Rodrigues, 15 anos, foi atropelado por um trator usado no carregamento de laranja.

As circunstâncias do acidente ainda estão sendo apuradas pela polícia. O adolescente trabalhava irregularmente na coleta de sacolas de laranja, caracterizando trabalho infantil para o Ministério Público do Trabalho (MPT).

Rita de Cássia Cornélio – 29/01/2008


Apoie a Repórter Brasil

saiba como

Enviar Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *