A Repórter Brasil está sob censura judicial desde o dia 9 de outubro de 2015. Saiba mais.

Governo anuncia recorde de 5.877 libertações em 2007

Grupo móvel superou marca de 2003 e estabeleceu novo recorde de trabalhadores libertados da condição análoga à escravidão. Operações, indenizações e multas também foram as maiores desde 1995

O conjunto de trabalhadores libertados de situação análoga à escravidão pelo grupo móvel de fiscalização do governo federal alcançou 5.877 trabalhadores em 2007, de acordo com informações divulgadas nesta quarta-feira (16) pelo Ministério do Trabalho e Emprego (MTE). Trata-se do maior número de pessoas libertadas desde 1995, quando esse tipo específico de fiscalização iniciou suas atividades. Os dados de 2007 suplantaram o recorde anterior estabelecido em 2003, ano em que 5.223 trabalhadores foram libertados. 

Os pagamentos de direitos devidos aos trabalhadores (R$ 9,8 milhões) e o total de autos de infração lavrados (3.075) em 2007 também superaram as marcas dos anos anteriores.

O recorde de 110 operações realizadas em 2007 foi atingido mesmo com as mais de três semanas de paralisação (entre 21 de setembro e 15 de outubro) do grupo móvel durante o ano. Nesse período, a Secretaria de Inspeção de Trabalho (SIT) do MTE decidiu supender as atividades em decorrência de pressão exercida por uma comissão formada por senadores que tentou deslegitimar uma ação do grupo móvel realizada no final de junho na fazenda e usina Pagrisa. Na operação, em Ulianópolis (PA), 1.064 trabalhadores rurais foram libertados.

No ano passado, 197 fazendas foram fiscalizadas em 2007, não superando o recorde de 275 propriedades rurais visitadas pelo grupo móvel em 2004.

Nos últimos 12 anos, um total de 27.645 pessoas foram libertadas, em 1.184  fiscalização realizadas em 621 operações. De 1995 até hoje, os direitos trabalhistas pagos somaram aproximadamente R$ 38,4 milhões e o MTE promoveu a regularização em carteira de trabalho de 27.101 brasileiros e lavrou 18.116 autos de infração.

Levantamento parcial da Comissão Pastoral da Terra (CPT) de 28 de dezembro de 2007 confirma as proporções apresentadas pelo MTE. De acordo com a CPT, foram libertados em 5.467 trabalhadores em 2007.

Segundo a CPT, porém, houve um recuo no volume de denúncias de trabalho escravo, que são as principais referências para o planejamento de operações do grupo móvel. Em 2007, houve 254 denúncias, enquanto que em 2003 foram 265 e, em 2005, 275.

Ano Operações Fazendas Registros Libertações Indenizações Autos
2007 110 197 3.497 5.877 9.808.932,39 3.075
2006 109 209 3.454 3.417 6.299.650,53 2.772
2005 85 189 4.271 4.348 7.820.211,26 2.286
2004 72 275 3.643 2.887 4.905.613,13 2.465
2003 67 188 6.137 5.223 6.085.918,49 1.433
2002 30 85 2.805 2.285 2.084.406,41 621
2001 29 149 2.164 1.305 957.936,46 796
2000 25 88 1.130 516 472.849,69 522
1999 19 56 * 725 * 411
1998 18 47 * 159 * 282
1997 20 95 * 394 * 796
1996 26 219 * 425 * 1.751
1995 11 77 * 84 * 906
Total 621 1.874 27.101 27.645 38.435.518,36 18.116

 


Apoie a Repórter Brasil

saiba como

6 Comentários

  1. Antonio Carlos

    Trabalho notável. Há muito tempo que essa escravatura reinava no país impunemente, sempre protegida por políticos. Acho que apenas multa não irá resolver. Haverá recursos e mais recursos que, pela lentidão da justiça, demorá anos e as multas jamais serão pagas.
    A lista de propriedades e proprietários deveria ser exposta para a sociedade, confisco das terras para reforma agrária e, nos casos de políticos e autoridades, serem afastados definitivamente da vida pública. Crime hediondo como esse não deveria ter atenuantes.
    Mas já é um alento, um belíssimo trabalho!

    Responder
  2. Edivelton Tadeu Mendes

    E quantos destes escravocratas perderam suas terras?Se não tomar a terra destes marginais, a escravidão nunca irá acabar no Brasil – um país de tollos!

    Responder
  3. B E T E

    ÓTIMO!!!! MAS GOSTARIA DE SABER SE OS “SENHORES DAS FAZENDAS” SERÃO PUNIDOS. SABE QDO SERÃO??? NUNQUINHA. POIS AQUI É “BRASIL”

    Responder
  4. Cecília Magalhães

    O trabalho de vocês é admirável e revela os inúmeros Brasis dentro do Brasil. É uma pena o pouco feito para que essas situações se perpetuem.

    Responder
  5. Pe. Agenor Mendonça, scj - Imperatriz-MA

    A Reporter Brasil está fazendo um ótimo trabalho, conscientizando o povo brasileiro e principalmente as pessoas que acreditam e lutam para que o Brasil seja um país mais justo e solidário. O trabalho escravo junto com a corrupção político/administrativa é um cancer que tira a vida e a dignidade dos nossos irmãos mais empobrecidos.
    Quem tem esperança luta, denúncia sem nunca desanimar por que acredita que está realidade pode mudar se nos unirmos contra toda forma de injustiça social.
    Continuemos exercendo nossa cidadania, conhecndo nossos direitos exigindo das autoridades que cumpram seus deveres, como detrmina a nossa Carta Magna.
    Meus parabéns, continuem lutando.

    Responder
  6. Fátima Aparecida Honório Borsari

    Excelente trabalho e fonte de pesquisa do “Repórter Brasil”. Escolhi o tema “Trabalho Escravo” para um artigo de opinião, nunca pensei que eu fosse me emocionar tanto com as reportagens e principalmente com o vídeo “Aprisionados por promessas”. Realmente, é inaceitável e vergonhoso essa realidade brasileira. Até onde vai a ganância do homem? Da vida nada se leva, mas tem gente que não acredita.

    Responder

Enviar Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *